quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Um mundo de monstros...

Um planeta cai do céu, como um morango de uma macieira, sem sentido, muito menos com significado, cai e abre uma janela, não para o mundo, mas para o inconsciente da consciência, que será o inconsciente, talvez, porém, não sei, o que sei é que a janela é uma porta, apenas de entrada, a saída fica no outro sentido, do consciente para o inconsciente, coisas estranhas, palavras trocadas, sem sentido, muito menos com significado, talvez, porém, não sei, talvez o mundo seja mesmo redondo, mas como é possível? Com tantos pseudónimos da quadratura, politica, religião, artes, ciência, economia, arestas dissolvidos em mentes ácidas, de um mundo que devia girar, se redondo fosse, e não gira. Fica preso às arestas, preso às aparências, não ao sentido da vida, um mundo quadrado, com arestas frias espetadas no significado aparente.

1 comentário:

Olga disse...

A Terra é redonda, agora o Mundo...
Principalmente o pedaço de Mundo que conseguimos conhecer nas nossas deambulações. Esquinas, caminhos turtuosos, altos e baixos...arestas. Algumas pessoas são por si mesmas grandes blocos de granito postadas a meio do nosso caminho. A vontade de limar algumas destas arestas é ténue, ínfima...depende dos desejos e das vontades daqueles que se dizem amigos e companheiros de estrada.
Não existe o Mundo redondo que deslize sem atrito pela nossa existência, mas existe o nosso Mundo cá dentro, que de vez em quando tem espirais quase perfeitas quando encontramos alguém que nos diz muito só de olhar para nós.